Presidente do Brasil C&VB solicita à imprensa a liberação dos acessos às informações completas sobre o Coronavirus, antes direcionados apenas aos assinantes

Visando contribuir com a disseminação das informações a respeito sobre o Novo Coronavirus – COVID-19, o presidente do Brasil Convention & Visitors Bureau, Márcio Santiago de Oliveira protocolou, nesta quarta-feira, 18, um ofício direcionado ao Presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Paulo Jerônimo de Sousa e ao Presidente da Associação Nacional de Jornais (ANJ), Marcelo Antônio Rech.

O documento trata sobre a importância do acesso de todos às informações sobre o vírus. “A imprensa deve abrir esse acesso a todo mundo. Nós vamos viver um processo de calamidade pública e a informação terá que ser franqueada. Hoje, muitos jornais, revistas, e demais veículos de comunicação, têm acessos bloqueados, através de senhas, somente para assinantes. E isso é ruim, neste momento. Agora não é hora de restringir os acessos. Às vezes, uma informação que um jornal está colhendo de um especialista pode ser útil para a população. É hora de todo mundo ajudar”, disse o presidente em entrevista ao Rotas RJ.

“A imprensa brasileira vem cumprindo seu papel de levar a todos, as previsões, fatos e riscos que o país tem vivenciado nos últimos tempos. Neste momento de apreensão e angústia, exige-se união e contribuição de todos. O acesso às informações sobre a catástrofe que iremos enfrentar, pode ser determinante na sobrevivência de muitos brasileiros. Assim, o Brasil Convention & Visitors Bureau, entidade privada e sem fins lucrativos, solicita que neste momento tenebroso que atravessaremos, que recomendem aos afiliados a liberação dos acessos aos conteúdos das matérias, o que por certo, resultará na taxa de sobrevida de nossa já sofrida população”, descreve o ofício.

Marcio Santiago faz alusão sobre o atentado à Maratona de Boston de 2013, quando duas bombas feitas com panelas de pressão explodiram durante o evento, o que causou a morte de três pessoas e feriu outras 264. “Os jornais dos Estados Unidos, quando do atentado de Boston, franquearam a todos os acessos às informações e isso foi primordial para que a população pudesse se proteger, ajudar e prevenir maiores danos.

“Em resposta a esse pedido, alguns jornais já estão liberando os acessos. Me sinto feliz, pois muitos veículos de comunicação estão se sensibilizando com esse momento crítico que o Brasil começa a viver e a informação é vital. Esperamos que uma vez a pessoa tendo uma informação relevante consiga compartilhar com outras pessoas ao seu redor, e ter efeito multiplicador, cujo objetivo final é salvar vidas”, concluiu.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.