Niterói: Turismo e Cultura

Manhã ensolarada do mês de fevereiro de 2021. Dia do passeio semanal. Momento de fuga da pandemia e de encontro com algumas belezas que nos fazem ter esperança e continuar vivendo com um olhar de que com a vacina, teremos dias melhores.

Deixamos Jacarepaguá por volta de 11h30min , o trânsito não está dos melhores,apesar de ser uma quinta -feira..Em trinta e cinco minutos, já estamos atravessando a ponte Rio -Niterói, com as janelas abertas para o vento entrar em nossos pulmões, através da máscara que nos protege e que faz doravante parte de nossas vidas.


Nossa primeira parada é o Museu de Arte Contemporânea,uma das marcas arquitetônicas de Niemeyer. O mesmo está aberto para visitação pública,obedecendo todos os protocolos de segurança. A ideia é visitar uma exposição na área externa.

Logo, avisto a mesma e começo a contemplar as fotos.”Das cinzas voltar nas cinzas vencer Viradouro de alma lavada” festeja a escola niteroiense que em apenas três anos  saiu do grupo de acesso para se tornar campeã do Carnaval do Rio,em 2020, ano da pandemia. Sem Carnaval em 2021,nada .mais icônico e relevante do que tal exposição,que vai até o dia 28 de fevereiro.

É interessante fazer aqui uma correlação entre o local do evento e Niemeyer, que também construiu a Passarela do Samba, no Rio, onde a Viradouro triunfou. Com curadoria de Marcello Velloso, Renata Xavier e Leandro Lucas, é impossível não se sensibilizar pela mostra.


Como está na hora do almoço, optamos por almoçar no Bistrô, restaurante do MAC. Um menu de quarenta e sete reais incluindo entrada, prato principal e sobremesa é rapidamente escolhido e providenciado.

O serviço é atencioso,poucas mesas ocupadas e a minha taça de vinho com o preço justo de 16 reais vem servida,sem que eu pudesse saber se o vinho era realmente aquele que me fora sugerido. Bom, ele estava!


Dali,passamos por Icarai e Charitas,praias de uma belezaM única e sem nenhuma aglomeração. Paro para fotografar e sigo para conhecer uma novidade: o Mosaico do lugar,uma escadaria de Charitas, verdadeiro museu ao ar livre.É uma obra coletiva, que foi realizado de 2004 à 2006 sob a coordenação da artista Leila B. Em cada degrau,encontramos um conjunto de mosaicos que contam histórias e cidadania. Fico encantado e espero que a Prefeitura dê a devida importância e apoio .


Como estamos muito perto, aproveitamos para visitar o Parque Municipal da Cidade. Para nossa sorte, três pessoas se  preparam para voar de parapente naquele momento. O local está limpo, ordenado e as paisagens que se vislumbra são simplesmente incomparáveis. Começo a fotografar os preparativos e assisto aos vôos com alegria e respeito.

Já é hora de voltar para casa . O regresso é muito animado,com cantoria e risadas. Sentimos que foi um dia excepcional e que pudemos nos desconectar durante algumas horas da realidade em que vivemos.

Niterói,um presente!            

 Bayard Do Coutto Boiteux é professor universitário ,escritor ,fotógrafo,funcionário público  e atua voluntariamente no Instituto Preservale e na Associação dos Embaixadores de Turismo do RJ (www.bayardboiteux.com.br)

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.