Há mais de 30 anos, o Parada do Chopp é o point ideal da família macaense

Existem experiências que marca positivamente, por serem rechegadas de simplicidade, carinho, energia e encanto. É exatamente assim a experiência de quem vivencia momentos num dos restaurantes mais tradicionais de Macaé/RJ, localizada na Região Norte Fluminense. O atual Arquipélago, popularmente conhecido como Parada do Chopp, carrega consigo uma história de dedicação familiar, de relacionamento interpessoal e claro, de muita expertise no ramo gastronômico.

O eterno Parada do Chopp foi inaugurado em 1993, pelos irmãos Ferreira, Jaime e Jamilton, onde funcionava o antigo bar do Pedrinho. Quem lembra dessa época? (veja fotos em nossa galeria). De lá para cá, o estabelecimento foi construindo uma biografia de sucesso. Formando um castelo de boas amizades e de admiradores pela culinária da casa. Jaime, o irmão mais novo, ficou na sociedade por 27 anos. E há 3 anos, Jamilton divide a empresa com o sócio Hernanes Henrique, que chegou para somar, com uma visão mais moderna e com espírito associativista agregador.

“Isso é uma cachaça. Venho todo dia aqui. Foi administrando essa casa que consegui, ao lado da minha esposa Lilia, educar e formar minhas duas filhas, Mariany, 29 e Melina, 36. Considero duas coisas fundamentais que contribuíram para nosso sucesso até aqui, muita amizade boa e um atendimento especializado”, disse Jamilton, um cambuciense, casado há 47 anos, com um casal lindo de netos nascidos na cidade , que conta com orgulho que já foi condecorado com o Título de Cidadão Macaense.

Simpatia e calor humano não faltam no acolhimento do cliente por parte da equipe que está ali, em média, há 20 anos. Isso mesmo, o ambiente é tão familiar e tão acolhedor que até seus colaboradores são de longas décadas. Ao todo, o estabelecimento possui 27 funcionários, e o mais velho da equipe tem 25 anos de casa, o gerente Luiz Carlos Fernandes. E o Domingos Antônio que está por ali há aproximadamente 22 anos. Tem também aqueles que são os debutantes do local, Geraldo e Adilson, com 15 anos de casa, e Rosane com quase 10 anos de equipe.

O nome do lugar já induz totalmente o cliente, é um atrativo para o que beber e vem numa caneca zero grau. Mas, os drinks da casa também não deixam a desejar.

Para entrada, a sugestão do gerente Luiz é a casquinha de siri e também o bolinho de bacalhau. A casquinha, em especial, deveria ser a vencedora de uma edição do Comida di Buteco ou de algum outro concurso gastronômico de renome. Recheado com muita carne de siri, a iguaria oferecida na casa, humilha qualquer casquinha que se encontra nos mais requintados e seletos restaurantes.

O carro chefe do estabelecimento para refeição são os pratos à base de frutos do mar. E a moqueca do Parada do Chopp é a preferência quase que unanime entre os clientes. Só não fica muito atrás para a Picanha, que é um dos pratos tradicionais da casa.

A vista é a bela Praia dos Cavaleiros, um dos pontos turísticos da cidade. E além de contribuir com o setor, fazendo parte do trade local, o Parada do Chopp também contribui com o desenvolvimento da economia, comprando os pescados com fornecedores da Região. Em média, neste período de pandemia, são gastos meia tonelada de frutos do mar, por mês, no local. Sem falar na Picanha, que são consumidos cerca de 250kg, por semana, fora da pandemia.

Atualmente, o Parada do Chopp, com aproximadamente 480 m², comporta 220 pessoas, e está aberto para atender a demanda de clientes das 11h às 23h.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.