Um final de semana no Vale do Café do Rio de Janeiro

Após quase dezesseis meses sem viajar, por força da pandemia, com apenas alguns passeios ao ar livre, tomo coragem, já que estou vacinado, para finalmente conhecer  o Hotel Fazenda Florença, em Conservatória, no município de Valença.

É uma oportunidade para vivenciar uma propriedade, cujo guardião, Paulo Roberto dos Santos busca desenvolver experiências únicas, que agregam um diferencial na sua comercialização.

A viagem do Rio de Janeiro, onde resido até a fazenda durou quase três horas. A estrada é boa e bem sinalizada.

Viajo  com um casal de amigos, cuja filha, a pequena Julia interage muito bem com o passeio e com o tio Bayard.

Ao chegarmos, os procedimentos de check in são rápidos e levam em consideração os procedimentos necessários, em tempo de covid.

Nossa primeira atividade é o jantar, em formato buffet, com luvas para efetuar o serviço, obrigatoriedade de máscara e mesa previamente estabelecida para todo o final de semana. O primeiro contato com  o hotel já demonstra que é um membro do roteiro de charme, com sua gastronomia diversificada e muito saborosa.

As bebidas são servidas diretamente na mesa e há uma boa escolha de vinhos. Por apenas 20 reais, é possível também levar sua bebida alcólica e consumí-la no restaurante.

Somos acomodados em nossos apartamentos, decorados com bom gosto e de forma clean, com televisão, frigobar, telefone, varanda e cama king size. O silêncio e o frio nos fazem dormir rapidamente, após um banho com água quente e volumosa. São 37 unidades habitacionais, divididas em três prédios, incluindo uma suíte júnior e outra máster.

A estadia é na base de pensão completa, sem bebidas, excetuando os deliciosos sucos naturais, servidos no café da manhã, com uma variedade de pães e bolos, feitos na própria cozinha da fazenda, que está aberta para visitação. Todos os colaboradores que trabalham na mesma estão vacinados, com máscara e atentos na confecção de pratos, para nos deixar com vontade de querer experimentar a totalidade de opções.

No primeiro dia, um sábado ensolarado com uma temperatura de 7 graus, acordo bem cedo, por volta de 06 horas e vou descobrir a fazenda por conta própria. A limpeza é uma marca em canta canto. Encontro cartazes de obrigatoriedade da máscara e uma riqueza na natureza, que me faz retirar a máscara por alguns minutos, já que estou sozinho, apesar da ocupação de 60% dos quartos. Descubro um mini zoológico, a capela de São José de Botas, decorada com santos feitos em papel  e a sede da fazenda, que tem visitas programadas. Fico quase 2 horas fotografando e me dirijo para o restaurante Dom joão, onde o café da manhã nos espera. Já experimento o café especial Florença, que vem dos cafezais da propriedade, cuja visita não pode ser perdida. Há no meio da plantação,uma bonita cafeteria, com degustação e uma verdadeira aula sobre café. A nossa foi ministrada pelo próprio Paulo Roberto.

Há uma programação infantil, muito bem elaborada, que participo com a Julinha e meus amigos. As animadoras trazem noções de sustentabilidade, alimentação dos animais e algumas brincadeiras  nas áreas abertas. Há inclusive uma briquedoteca  e todos os salões, inclusive o restaurante mantem as janelas abertas. Me sinto seguro e protegido o tempo inteiro com  as duas máscaras n95 que utilizo sempre. Há passeios de cavalo, charrete incluídos na diária e uma festa julina nos surpreendeu no final do sábado, após o jantar. As refeições tem horários pré estabelecidos.

Domingo chega rapidamente e antes de ir embora, meu amigo Thiago faz um passeio a  cavalo já agendado e o acompanho para fotografar. Raquel acompanha Julinha na última atividade matinal: um parquinho em plena natureza, ao lado da quadra de tênis.

Foi um fim de semana repleto de descobertas,de atenção, de comprometimento com  o consumidor final e com uma alegria interna de poder dormir pela primeira vez fora de casa..

Haja coração. Haja felicidade. 

Bayard Do Coutto Boiteux é professor universitário,pesquisador,escritor,consultor e funcionário público. Atualmente,exerce de forma voluntária a vice presidência executiva da Associação dos Embaixadores de Turismo do RJ e a gerência de educação do Instituto Preservale. (www.institutopreservale.com.br) 

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.